sábado, 30 de junho de 2012

[dêem vocês o título]!

E quando tens a sensação de que toda a vida deixaste apenas a vida passar. Pouco fizeste para teres o que queres porque te preocupas com o que a sociedade, essa ingrata que se diz tua amiga, diz ou pensa de ti. Ou, porque na verdade, não tens definição para o que queres.
Fazes o que é aparentemente correto, para puderes fugir de algo que não te agrada, para algo que momentaneamente te parece bem.
Quando parece que tens tudo e a tua sensação é de que não gostas de nada. Quando achas que apenas o que deixaste perder, seria o que te faria sorrir. Quando não consegues gostar de ninguém, quando alguém faz muito por ti. Quando o que te apetece esforçar pelos outros é o mesmo que nada. Quando achas e sentes que não aprendes, porque a tua vida é uma sequência exata dos mesmos erros. Quando vês, estás na praia e a maré não faz sentido e a falta de sentido, não te dá ideia para o título do post.
Quando te apetece apenas, a solidão. Flashback da vida que corre? Será isso, ou sol a mais?

9 comentários:

L.O.L. disse...

Não é nada sol a mais. E adorei mesmo ler este post. Penso que quase 100% das pessoas rever-se-ão em tudo o que falaste. Bendito sol que apanhaste. :)))

D. disse...

Obrigada L.O.L.
Achas que revêm? E eu a achar que tenho momentos de descompensação.

Pec disse...

Tem dias. (Mas é essencialmente sol a mais. Se bem que com mais sol ainda isso passa) =oP

D. disse...

Obrigada Pec e benvinda. É giro ver as opiniões diferentes.

S* disse...

O arrependimento é uma chatice.

mfc disse...

Não te arrependas e vive a tua vida!
Todos passamos por momentos assim que de um dia para o outro desaparecem!
Sorri, que ajuda muito.
Beijinhos,

D. disse...

Não é uma questão de arrependimento, mas não sei explicar...

SaintWolf disse...

Eu li mas nada percebi, ou se calhar não quiz perceber.
Aproveitando as analogias, a vida é como o próprio mar, ondas vão, ondas vêm, e nós somos parte da areia que tanto molha como seca consoante a variação do tempo das próprias ondas.
Molhas-te, alegras-te, secas, entristeces, e tudo, mas tudo a seu tempo, poderemos então falar na vaga ou na gíria "marística" na 7ª. Poderemos falar em tempo, em recordação, em saudade.
E não é que em todos os mares um rio desagua?

D. disse...

:)Muito bem.