quinta-feira, 17 de março de 2016

Dos testes psicotécnicos

Que vos posso eu dizer sobre testes psicotécnicos? 
Nem sei bem. Tenho um sentimento de amor - ódio pelos ditos. Se, por um lado, até acho piada a fazer alguns e considero um desafio, por outro lado, devido à pressão e tempo super limitado, acho-os redutores. Ou, podem sê-lo.
Quando há muitos candidatos, é uma forma mais simples de eliminar pessoal? Sim, é. Mas também pode ser uma forma de eliminar pessoas que, eventualmente, podem ser muito válidas. OK, como qualquer outro método, sim, também têm razão. 
Quanto a resultados, não tenho ideia. Por certo, têm muitas ratoeiras disfarçadas. Deve ser para isso que eles servem também, claro. Mas, não sei. Não sou psicóloga, nem nada parecido.

Aqui está uma explicação, provavelmente de quem sabe, sobre a sua mais valia. 
Destaco o penúltimo paragrafo, que foi logo o que pensei desta vez, assim que me meteram o teste à frente:

Sim, ontem fiz testes psicotécnicos. Algo que já não fazia há anos, ou como se dizia quando os fazia, há c'anos.

4 comentários:

LionMaster disse...

Acho que só fiz esse teste na escola e na inspeção para a tropa. Não sei se tem alguma coisa a ver, mas adorei o resultado.
Na escola deu que eu deveria escolher algo relacionado com artes e musica... e na tropa safei-me da mesma! :P
Boa sorte para os resultados.

Maria do Mundo disse...

Eu acho-os muito redutores.

esperto que nem um alho disse...

Há c'anos que não faço disso.
Fiz na tropa, não sei pra quê. Depois davam-nos uma G3 igual pra todos eheheh.
Mais tarde fiz na empresa, numa candidatura a um cargo de chefia, onde eu era o único candidato e já exercia o cargo há 5 anos sem receber mais ordenado eheheh.
Foi só pra verem se eu merecia o aumento. eheheh

D. disse...

Bem, até agora, há mais pessoas em sintonia comigo.
Querem ver que me candidatei à tropa e não sabia!