quinta-feira, 31 de julho de 2014

Livros escolares - este país é uma palhaçada... e das boas

Que este país é uma palhaçada, não é nenhuma novidade para ninguém. E das boas, cada vez mais.
Mas apetece-me desabafar.
Andei à procura para arranjar os livros para o 5º ano da minha filha. Quando fiz a simulação do valor que pagaria pelos mesmos, ia tendo um treco. Aí, pensei em tentar adquirir os manuais em 2ª mão, ao que apenas compraria os cadernos de actividades que realmente fossem necessários, na altura. 
Mãos à obra. Pedidos por facebook, ida a bancos de livros, etc e tal. É verdade que ainda não os arranjei. Mas a informação que recebi é que, o ISBN dos livros é diferente. Logo o mesmo também o é. 
Bom, temos um problema, pensei eu. Fui então tentar ver o que raio é o ISBN e concluí que é uma identificação que é atribuida a cada livro e cada edição (à partida parece uma coisa lógica, não quero saber nem pensar do que poderá haver por d€ trás deste código). 
Estou mesmo a ver o filme. O nosso governo, que se lá estão é porque são bué da espertos, resolve alterar merdinhas no plano curricular e pimbas, toca de fazer um livro todo novo, se calhar um desenho diferente. É, sim. É assim que a criançada ano após ano aprende mais. Adiante.
Ora aí, começaram a dar-me ganas. E entre muitas outras ganas que me deram, confirmei, uma vez mais, que realmente este negócio é um grande negócio. O negócio dos livros escolares. E que quase se assemelha ao negócio das farmaceuticas e dos médicos. 
Mas comparações parvas minhas à parte, fiquei realmente enojada e a pensar que esta coisa dos bancos de livros, que tudo tem de muito bom e lógico, acaba por ser um engodo, tudo por culpa da industria, governos e o diabo a 7.
E lá está. Este país é uma palhaçada e da boa. Em países desenvolvidos, mas daqueles à séria, não como nós que só temos é centros comerciais, as escolas têm um banco de livros próprio. No início do ano dão, repito, dão, gratuitamente os livros aos seus alunos que são responsáveis pelos mesmos e têm a obrigação de no final do ano os devolver de forma impecável, para que os mesmos sejam usados por outros alunos. Se entregas um livro em mau estado, aí sim, tens de o pagar para que o mesmo seja substituido.
E agora digam-me, é de mim, ou este sistema é moralmente e monetáriamente correcto?
Para além de promover a reutilização, acaba com a palhaçada dos monopolios das editoras. E mais, e muito importante, incute um espírito cívico e de respeito pelo próximo nos miúdos, pais, professores e em todos os que à volta destes livros circulam.
Mas nós, belos habitantes deste que é Portugal, devemos ser todos ricos. E por isso, toca de quase obrigar os pais, ano após ano, a adquirir livros novos. Os anteriores já não prestam. Este ano vão aprender mais. Ajudamo, também, a promover o desperdício e a não civilizar para a parte um pouco mais humana as nossas crianças. 
Estou em crer que, muitos pais, infelizmente, para adquirirem os livros escolares para os seus filhos, devem ver-se obrigados a comer os do ano anterior. Mas guizados e com batatinhas. Ah! e salada, que o verde faz bem.
Eu, vou continuar a tentar procurar livros em 2ª mão para ela usar. É que o meu estômago não se dá muito bem com papel.
Desculpem-me o desabafo. Mas PQP a todos. 
E agora digam-me lá se este país é ou não é uma palhaçada e das boas?
Tenho dito!

9 comentários:

Coisas que Faço disse...

Então não é uma palhaçada??? Claro que é! E eu ainda nem sequer comecei a pensar nos livros escolares, sob pena de me dar mesmo um treco e estragar as férias ao pessoal todo cá de casa... Só penso na desgraça a partir do próximo dia 9. Aí sim, vou ficar tipo peixe fora de água, tal como acontece todos os anos :(

Beijinho!!
http://coisasquefaco2014.blogspot.com/

D. disse...

Isto é um desatino daqueles. Foge. Pachorrinha que é preciso para algumas coisas

ynys disse...

Eu estou a anos desse filme mas vivo o através de amigos e é um sistema corrupto montado à muito e protegido por todos os que dele enchem os bolsos. Conheço quem contacte pais do ano anterior para lhes comprar directamente os livros havendo um acordo/avaliação dos mesmos no momento da troca. Enfim boa sorte e se descobrires um método ou dicas úteis partilha só assim vamos lutando contra esta fantochada

D. disse...

ynys, isto é a chamada "chulice declarada". E não há quem meta cobro nisto.
A mim, como podes ver no post que escrevi hoje, tive a sorte e bondade dos mesmo me terem sido dados por uns amigos. Nunca mais somos um país "semi-desenvolvido"
Bjs

Diana Santos disse...

É a primeira vez que estou no teu blog e gostei muito. Parabéns :)

http://fromportugaltonyc.blogspot.pt/

D. disse...

Bem-vinda Diana.
Ainda bem que gostaste, espero que fiques por cá. :)
Bjs

Ana das Pontas disse...

Felizmente a minha empresa da-me desconto nos livros. Não que precise, que por enquanto só tenho gatos.

CELIA disse...

OLA COMPREENDO-TE PERFEITAMENTE ,TENHO 2 FILHOS UM NO 5º E A OUTRA NO 7º ,ESTIVE A VER OS LIVROS DA MINHA FILHA DE À 2 ANOS E OS ISPN APENAS COINCIDE COM O DE MUSICA ,O LIVRO QUE NÃO É OBRIGATÓRIO COMPRAR. TUDO O RESTO É IGUAL AUTORES E NOME DO LIVRO.ISTO É REVOLTANTE TENHO QUE COMPRAR 2 PORQUE TÊM EDIÇÕES NOVAS(HISTORIA E PORTUGUES) E OS OUTROS QUE ESTÃO EM BOM ESTADO E QUASE SEM NADA ESCRITO NÃO SERVEM......

D. disse...

Ana das Pontas, mas quando precisares, é bem bom. acredita.

Celia, Isto é uma palhaçada e uma revolta que provoca em nós, pais e nas outras pessoas que estejam atentas. Com o livro de História, do ano passado para este, também houve alteração. agora pergunto eu, que raio se alterou na história para haver esta mudança. Será que já incluiram no curriculum o caso do BES? Palhaçada e da boa.