quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Ontem, foi um dia entre o amargo da partida e o doce do reencontro.

A cada dia e a cada momento, temos pessoas que nos rodeiam, que gostamos e com as quais gostamos de estar. Com elas, os minutos voam.
São elas. São tudo naqueles momentos. 
Depois, temos também aquelas pessoas que foram tudo isso para nós, num passado. Por este ou aquele motivo, a vida teve de seguir para um futuro e a relação com essas pessoas ficou, um pouco, no passado. A alegria, o encurtar do espaço temporal, são momentos que conseguem transportar-nos para momentos longínquos que parecem ter ocorrido ontem. Sentimo-nos juntos e separados, bem como, separados e juntos.
E ontem, foi assim.
Infelizmente, o momento e local não foram dos que mais me agradam. Foi num velório de um anjo, ligado a uma pessoa muito querida deste nosso passado. Assim que recebi a triste notícia, soube logo à partida que iria ser um misto de emoções.
Nesta mistura de sentires, entre a tristeza de um vazio, a alegria de ir rever e abraçar um pouco do passado. Sabia que muitas das pessoas de quem gostava e com quem aprendi a ser, um pouco, o que hoje sou, me iriam aparecer, sorrir, beijar e abraçar.
E assim foi. Abraços daqueles que nos enchem o mundo. Sorrisos carinhosos, olhares reconfortantes e palavras doces.
Relembrar, rir, abraçar, aquele bocadinho, naquele local que daria tudo para ser outro, consegui trazer-me ao de cima, momentos e sensações muito doces.
Foram anos da minha vida, que recordo com muita satisfação. Foram lágrimas discretamente largadas num rio de saudade. 
Ontem, recebi dos abraços mais reconfortantes dos últimos tempos.
Ontem, voei, recordei e senti umas saudades grandes do que já foi.
Ontem, senti o carinho de uma família, que em tempos tive.
Ontem, aqueles abraços foram um "booster" para continuar.
Ontem, cumpri a minha obrigação de acarinhar a subida de um anjo.
Ontem, foi um dia entre o amargo da partida e o doce do reencontro.
Sim, tenho saudades. Sim, admito, tenho muitas saudades da equipa que um dia todos fomos.

3 comentários:

Ana disse...

Infelizmente, os velórios e funerais continuam a ser dos locais onde mais se reencontram familiares e amigos que não se vêem há muito. Digo "infelizmente" porque, obviamente, há momentos mais agradáveis para isso acontecer, claro.
Paz eterna ao bebé :(

D. disse...

Obrigada Ana. Não era bebé, era já uma menina adolescente

Patricia Alexandre disse...

Adorei o teu abraço.
Saudades do tempo em que te podia abraçar todos os dias.
Beijinhos e um abraço.